Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2008
Só neste país ...
Só neste país ...

Um administrador bancário além de ser justa ou injustamente acusado de ser "boy" opta, e aparentemente pode fazê-lo, por ir para a administração de um banco privado mantendo o vínculo ao banco público de onde veio, que até é concorrente do primeiro.
É por estas e por outras que depois surgem os pântanos ou as surpresas eleitorais.

Viciados em nicotina gastam páginas de jornais a defender o seu "direito"  a  encher de fumo locais onde estão não-fumadores e também a assassiná-los (1/3 dos cancros de pulmão são de fumadores passivos).
Entre as várias "peças" que mostraram que são menos inteligentes e mais dependentes do que se poderia pensar está o "célebre" Miguel Sousa Tavares que vem falar de fascismos e parvoíces do género para procurar impor o seu fumo "intelectual" aos outros.

E já nem sou só eu que penso assim...

"Nunca tive tanta noção de o tabaco ser uma droga como nos últimos 15 dias, após ler textos alucinados por parte de colunistas habitualmente respeitáveis como Vasco Pulido Valente ou Miguel Sousa Tavares. O que eles têm escrito sobre a nova lei do tabaco, deitando mão a comparações que deviam envergonhar qualquer pessoa que tenha lido dois livros de História, é de tal modo inconcebível que só se explica pela carência de nicotina. Eles fingem que um café inundado de fumo é coisa que não incomoda ninguém. Eles chamam fascismo a uma decisão que chateia dois milhões de portugueses e protege oito milhões. E Sousa Tavares conseguiu mesmo a proeza de afirmar no Expresso, sem corar de vergonha, que a lei faz "lembrar, irresistivelmente, os primeiros decretos antijudeus da Alemanha nazi". Ora, isto não é texto de um colunista prestigiado - isto é conversa de um junkie a quem o dealer cortou na dose. Faço, pois, votos que os fumadores descompensados acabem de ressacar rapidamente, para o bom senso regressar e nós podermos voltar a lê-los com gosto."
João Miguel Tavares in DN 150108


publicado por HomoEconomicus às 16:33
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2008
Análise económica do vício do tabaco
No jornal Oje de dia 7 de Janeiro vem um excelente artigo de Horácio Piriquito sobre o problema do tabaco, no fundo juntando argumentos adicionais de racionalidade económica ao óbvio. Que o tabaco não é benéfico.

O autor refere 3 aspectos : financeiro, económico e orçamental

Problema financeiro do fumador
"... o fumador é um problema financeiro. Estimula as importações de tabaco sem qualquer retorno ou compensação social, a economia paga-as através do rendimento do fumador e contabiliza de imediato um desequilíbrio comercial que acaba por ser também um custo para os não fumadores..."

Problema económico do fumador
"... o fumador é um problema económico. Ao canalizar para o tabaco parte do rendimento, desvia receitas de outros sectores económicos fundamentais e de maior valor. Conhecem algum fumador com actividade fisica intensa e regular? Ou seja, todos os negócios relacionados com actividade saudável perdem essa receita e, por isso, aumentam as despesas no sistema de saúde. Numa revista recente uma ex-fumadora dizia que começou a aplicar em livros o dinheiro do tabaco. Boa ideia! Podemos também sugerir um ginásio ou uma bicicleta..."

Problema orçamental do fumador
"... o fumador acaba por ser um triste problema orçamental. A receita fiscal do tabaco não chega para pagar o custo do fumador quando recorre ao sistema publico de saúde. Este é o ponto! O fumador não se pode arrogar negligentemente no direito de fazer o que entender
com a sua saúde. Porque os não fumadores devem sentir-se igualmente no direito de responder que, então, não aceitam que os seus impostos sirvam para pagar os custos de saúde e hospitalares que resultam dessa dependência.
Há muitas doenças irreversíveis que recorrem de forma natural e legítima ao sistema público de saúde e que necessitam de recursos. Grave é, numa perspectiva social e orçamental, o desvio dessas verbas para os fumadores. Um drogado em tabaco obriga o sistema público de saúde a canalizar recursos para suportar as suas crises tabagistas e internamentos hospitalares, que podem durar muito tempo. E os recursos públicos de saúde, pagos por todos, têm de ser optimizados e preferencialmente canalizados para as doenças incontroláveis e irreversíveis..."

O autor vai mais longe ...

"... Não basta proibir o acto de fumar. Esta é apenas metade do caminho. O fumador tem de ser responsabilizado, registado e “fichado”. Deveria ter um seguro de saúde privado e obrigatório por forma a que os nossos recursos públicos não sejam desbastados quando a saúde do fumador necessita de assistência médica e hospitalar.

Se o fumador é um grave problema social e de saúde publica, também é uma questão económica e financeira complicada. Pagar o tabaco e o imposto inerente é muito pouco para os estragos que provocam no Orçamento de Estado e na sobrecarga na estrutura financeira do sistema de saúde.

Os fumadores não podem jamais ter direito à liberdade que pretendem. E é tão simples quanto isto: porque os não fumadores não permitem."

QED


publicado por HomoEconomicus às 22:01
link do post | comentar | favorito

Mais doentes do que pensavamos
AS últimas reacções nas páginas dos jornais dos viciados em nicotina e o desespero de causa dos mesmos tem vindo a demonstrar como a dependência nestes personagens é tão forte ou mais que a dependência de alcool ou substâncias como a heroina ou a cocaina.

Ao contrário dos últimos, os viciados em nicotina acham-se no direito de usufruir da sua droga em qualquer lado e em qualquer situação porque senão, coitados, ficam nervosos.

Os últimos artigos de opinião é o desespero de causa que vemos em viciados em heroina ou cocaina a quem é retirada a droga. Mas no caso dos viciados em nicotina apenas se impede que prejudiquem terceiros com a sua dependência, nem se impede de fumar. Mas ele é gritarem "fascistas, eunucos, polícias, etc., etc." numa fraseologia que mete pena.

Os viciados em nicotina acham-se no direito a obrigar terceiros a inspirar o fumo dos seus pulmões sabendo-se que perto de 1/3 dos cancros do pulmão já surgem em fumadores passivos.

E pior que isso é que quando, azar, apanham cancro no pulmão, esperam que seja o Estado ou seja, os bolsos dos portugueses, a pagar o seu tratamento com custos elevados para todos. Nem a verticalidade têm de assumir os custos da sua cura como assumem os custos da sua dependência.

A lei está em vigor. Mais de 80% dos portugueses concordam com a lei. Quem não concorde vá para a China, lá é livre o fumo, é livre matar e suicidar com nicotina. E não ocupem páginas dos jornais nem que seja porque os viciados noutras substâncias também nunca tiveram espaço para defender os seus vícios.


publicado por HomoEconomicus às 09:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Só neste país ...

Análise económica do víci...

Mais doentes do que pensa...

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds