Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.

Quinta-feira, 7 de Junho de 2007
Globalização e os folclóricos anti-globalização
Mais uma reunião do G8 e tal como nas reuniões da OMC, mais manifestações e actos de violência dos inadaptados da sociedade.

Grupelhos da extrema-esquerda e extrema-direita que se unem para tentar satisfazer a frustação do  seu falhanço pessoal, académico e profissional na sociedade, culpando a sociedade  de tudo e procurando satisfazer as suas frustações através de manifestações preferencialmente com actos de violência delinquente,  o que na verdade é sempre melhor para o ego do que reconhecerem que são uns falhados ou pelo menos uns frustados com a sua vida.

- Dizem eles "Não à globalização"

Globalização na verdade iniciada pelos portugueses com as Descobertas, que tinham como um dos grandes objectivos o comércio internacional.
Não é preciso ser muito inteligente para se perceber que se por hipótese acabasse o comércio internacional TODOS os países ficavam pior começando pelos nosso, com desemprego a disparar, escassez de vários bens e nível de preços a disparar também. Não é preciso muita inteligência para se perceber isso.

- Dizem eles que "a globalização aumenta as desigualdades sociais".

Mais importante que as igualdades sociais, o importante é saber se os que estão piores numa dada sociedade antes da abertura do seu país ao comércio internacional melhoram ou pioram. E TODOS os dados PROVAM que ficaram melhor, sejam quais forem os indicadores de análise. Quanto às "diferenças sociais", é com cada país praticar as suas políticas redestributivas. Mas é melhor haver desigualdades num um país mais rico que por redistribuição as pode minorar, ou "igualdade" na miséria ?

Claro que "minorar" as "desigualdades" deve ser feito com cautela. Se eu me esforçar muito mais que o vizinho  na minha vida académica e profissional para depois o Governo vir e obrigar a que o meu nível de vida fique semelhante ao do vizinho, o que acham que eu faço ?

Para os extremistas a sociedade deve ser igualitária, na mediocridade. Para os "igualitários anti-capitalismo e anti--globalização" é melhor todos "igualitáriamente" na miséria e preferencialmente sob uma ditadura de "iluminados" (que não estarão na miséria, estejam descansados) é melhor que uns na mediania mas outros muito bem na vida. As invejas são sempre complicadas e a procura de quem nos guie um sintoma de imaturidade e insegurança pessoal.

Mas aqueles que gostam de uma "sociedade igualitária" vão a Cuba. Toda a população entre fazer biscates e a prostituição para procurar ter algo de melhor. E não venham com tretas do "boicote dos EUA" como causa da miséria cubana.
1º O boicote não é o papão nem a desculpa que os esquerdistas querem. Até portugueses já investiram em Cuba.
2º Mesmo que o boicote fosse total, que não é, apenas cumpria o que os "anti-globalização" defendem, impedir a Cuba de se globalizar com todos os "malefícios" da globalização. E Cuba estará muito melhor isolada. Não é ?

-  Dizem eles "Não às fábricas  das multinacionais capitalistas, exploradoras, fascistas".

Coitados, que cegueira dogmática.

Que se saiba nos países de 3º mundo ou mesmo em Portugal ou países de Leste, ninguém é obrigado a ir trabalhar para essas fábricas. Porque todos correm a esses empregos, mesmo quando existem empregos noutros lados ?

Porque tendo naturalmente os trabalhadores nas fábricas multinacionais menor remuneração que nos países de origem, senão é ÓBVIO que as fábricas ficavam nos países de origem, trabalhar numa multinacional assegura SEMPRE melhores ordenados e condições de trabalho que nas chafaricas locais. Para além de criarem emprego.

Dizem alguns "génios da luta dos trabalhadores" que as condições oferecidas pelas multinacionais nos países do 3º Mundo são "muito piores" que as oferecidas  nos EUA, Europa Ocidental, etc... 

Claro. Nem é preciso ir mais longe. A AutoEuropa oferece condições abaixo das oferecidas numa fábrica equivalente na Alemanha. Querem que a AutoEuropa feche ? Já nem falando aspectos como a produtividade sempre importantes nestas comparações.

Comparando então uma fábrica nos EUA com uma fábrica na Indonésia, para satisfazer os anticapitalistas com ódio de estimação aos EUA (porque derrotaram o nacional-socialismo alemão, o comunismo da URSS e o fascismo italiano), o que temos ?

. Se a fábrica tivesse que oferecer mesmas condições que nos EUA ficava nos EUA, embora não fosse garantido que muitos americanos quisessem trabalhar mesmo com condições "americanas". Provávelmente seriam imigrantes mexicanos, o que é sempre bom para os mexicanos, claro. Mas quem é anti-globalização é necessáriamente anti-imigração. A imigração é um dos elementos da globalização;

. Os indonésios preferem sempre trabalhar numa fábrica de multinacional "capitalista" americana que lhes oferece emprego e condições muito melhores do que em qualquer fábrica indonésia;

.  A fábrica na Indonésia NUNCA poderia  oferecer aos indonésios remunerações "à americana" pelo factor adicional de que tal iria criar desiquilíbrios na economia indonésia. Para os pobres de espírito que não percebem isso, imaginem a AutoEuropa pagar como na Alemanha, com as pressões sindicais para que todos ganhassemos como na Alemanha.

Imaginem no absurdo que a partir de 1 de Janeiro de 2008 TODOS os portugueses seriam remunerados como os alemães. Sabem o que aconteceria a Portugal ?

Os ignorantes informem-se, naturalmente nem todos são obrigados a saber. Os hipócritas aldrabões que sabem mas mentem em nome do dogma, é melhor ficarem calados.

Estejam descansados os "bons samaritanos" que tal como aconteceu com Portugal, com a globalização nos países do 3º mundo as condições laborais irão gradualmente melhorar, sem criar tenções ou problemas nos respectivos países e irão ano após ano ficar mais ricos e com melhor nível de vida, mesmo que ao longo da mesma tenham que ir aprendendo, mudando, adaptando a novas necessidades de uma sociedade que não "pára" ao longo das mais que 4 dezenas de anos da vida profissional de um ser humano, pelo que o ser humano também não pode parar.

Já agora um ponto adicional. Sabem o que aconteceria se a Nike por exemplo pagasse nas fábricas nos países de 3º Mundo o mesmo que nos EUA ?

1 - Os ténis ficavam mais caros;
2- Ténis mais caros, procura diminuia;
3 - Procura diminuia, fábricas fechavam e o indonésio nem ordenado "à americana" nem emprego, nem condições de trabalho, nem ordenado "de multinacional capitalista" acima do oferecido em média na Indonésia. Nada.

Azar não era ?

Nota adicional :
Temos que começar a ver os actos de violência anti-globalização como actos de criminalidade (que o são) e não actos "políticos" que nunca o foram. Ou seja, nada de polícia branda em que por vezes tem mais baixas nos confrontos que os próprios manifestantes delinquentes, mas actuar com a força necessária como se actua contra gangues de criminosos, na mesma escala mas com mais firmeza.  Quem actua com pedras, paus,  cocktails Molotov e semelhantes artefactos deve ser defrontado na mesma escala de força para que a violência deixe de se repetir.


publicado por HomoEconomicus às 10:17
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

Globalização e os folclór...

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds