Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.
Terça-feira, 4 de Setembro de 2007
Economês
Durante as últimas semanas têm vindo a lume notícias que se tornam mais fáceis de analisar através do chamado "economês" (conhecimento básico das bases e linguagem da economia), que ajuda a compreender muita da situação do país em geral.

Desemprego dos professores
Não deixando de ser um problema grave naturalmente, o desemprego dos professores (ter em atenção que alguns ainda são apenas licenciados que querem ser professores) era previsível.

É uma questão de oferta e procura. A oferta de licenciados que tiram cursos para se tornarem professores aumentou em mais de uma centena  de milhar nos últimos anos, ainda mais em cursos na área de letras e sociais cuja procura como professor e mesmo nas outras áreas de actividade tem caído fortemente.

A procura no sistema educativo tem diminuido e o Estado naturalmente não é obrigado a dar emprego a esta classe de licenciados assim como não é obrigado a dar emprego a quem quer que seja a não ser que exista trabalho para fazer.

Não se pode cobrar mais impostos ou desviar verbas apenas para criar "falsos empregos" que seria políticamente muito correcto mas um desastre para o país.

Por isso :

. As "exigências" sindicais de que o Estado tem que empregar todos os que querem ser professores são no mínimo ridículas.

. A falsa solução que os sindicatos apresentam  de aumentar o número de professores para os mesmos ou menos alunos é apenas isso, falsa solução e criação de falsos empregos. Portugal já é dos países da OCDE que menos alunos tem por professor (todos os outros dados dos nossos exageros no sistema educativo já foram referidos neste blog).

. E agora virem os mesmos sindicatos dizerem que não concordam com os novos requisitos de exigência para todos os que queiram ser professores, nomeadamente saber bem português, saber comunicar, e conhecer bem a área que leccionam, com a justificação de que os professores "podem estar nervosos nas provas" provam o ridículo e falta de credibilidade sindical cujo único objectivo é atacar qualquer governo (dado que da cor deles dificilmente o será), por tudo e por nada. E mostra como os sindicatos continuam a querer a balda completa. Todos os que queiram devem ser professores, todos devem subir até ao topo da carreira, etc., etc.

E os portugas que paguem a conta porque nem bons resultados existem.

Apenas deve ser dado um aviso a todos os que queiram tirar cursos para serem professores, por vocação nuns casos, por fuga às matemáticas noutros. O emprego vai escassear, existem quase 50 mil professores no desemprego.

Tirar um curso desses é por conta e risco do próprio. Depois não se queixe.

 
O poder de compra dos portugueses

Custo de vida em Portugal é 20% inferior ao da UE15
O nível de preços médio em Portugal é cerca de 20 por cento mais baixo do que o da média da União europeia a 15 (UE-15).Ou seja, para comprar um cabaz de bens que, a preços médios europeus custe 100 euros, os consumidores portugueses teriam de gastar apenas 82 euros, segundo o «Diário Económico». Boas notícias? Nem por isso. É que se o nível de preços é inferior ao da UE15 em quase 20%, o poder de compra dos portugueses é, ainda assim, bem inferior ao da média comunitária: os últimos dados da OCDE mostram que os portugueses ganham menos 40% do que a média comunitária e são mesmo os mais mal pagos da UE15.
in Diario Digital

Esta-se a falar de valores médios e sabemos que se por exemplo a região de Lisboa está acima do descrito, existem regiões portuguesas bastante abaixo. No entanto a notícia indica que em termos médios o que se costuma ouvir que "Na Alemanha ou França se ganha 2, 3, 4 vezes mais" apenas pode acontecer em certas situações específicas e tem que se descontar o nível de preços nesses países.

Em termos gerais e considerando a chamada paridade poder de compra (ppp), comparando o preço de um cabaz alargado de compras de bens e serviços entre os vários países, tal significa que o português tem um nível de vida de 20% abaixo da média da União Europeia a 15. E isto porquê ? De uma forma muito simplista temos um nível salarial 40% inferior à média da UE-15 e um cabaz de bens e serviços 20% mais barato.

Quanto aos 40% de salário abaixo da média da União Europeia, tal deve-se a vários factores, nomeadamente menor produtividade, maior peso de industrias tradicionais de baixo valor acrescentado, maior percentagem de população com nível educacional muito baixo que leva a terem menor produtividade e trabalharem em sectores de menor valor acrescentado, etc.

São estes aspectos que temos que mudar para o país se aproximar da média da União Europeia a 15.

Os imigrantes e a oferta e procura de trabalho.

Por vezes os imigrantes são acusados de todos os males do nosso país e faz-se passar a imagem que todos eles decidiram escolher o nosso país para virem trabalhar. Porquê essa opção ? Pelos nossos lindos olhos ? Por termos Vasco da Gama e Cristiano Ronaldo ? Para "beneficiarem" do nosso "maravilhoso" sistema de segurança social ? Pelo "elevado"  nível salarial ?

Claro que não. Tal como os portugueses foram para países onde havia trabalho, o mesmo se passa com os imigrantes. E se a procura de trabalho diminui, se a taxa de  desemprego aumenta, a oferta de trabalho de imigrantes desce, indo eles naturalmente procurar trabalho noutras paragens.

Basta ler ...

Número de imigrantes em Portugal atinge nível mais baixo dos últimos cinco anos
O número de estrangeiros residentes em Portugal atingiu, no ano passado, o valor mais baixo dos últimos cinco anos.
De acordo com um relatório do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), esta tendência de quebra, que terá sobretudo que ver com a falta de emprego, tornou-se mais evidente a partir de 2004. Desde então verificou-se um decréscimo de 8,5 por cento no total de estrangeiros registados no país.
Depois de se ter sentido, como nunca nas últimas décadas, uma entrada maciça de trabalhadores estrangeiros em Portugal, a partir de 2001 — ano em que se verificou o maior processo extraordinário de legalização de sempre —, em 2005 parece ter ocorrido uma autêntica debandada do país, que se prolongou durante o ano de 2006.
in Diário Digital


publicado por HomoEconomicus às 09:01
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A bofetada de luva branca...

Por cá e por lá depois da...

A verdade dos factos

Facilitismos

O Tratado de Lisboa. O Te...

Racismos, xenofobias e ou...

Os combustíveis e a demag...

O Estado da Economia

Por cá e por lá, felizmen...

Justiça Desportiva

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds