Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.
Quinta-feira, 14 de Junho de 2007
Charruadas
O sr. Charrua continua a querer mostrar a todos a sua falta de carácter e personalidade, pouco próprios em qualquer cidadão ainda mais num professor.

Em declarações à TSF via-se a "alegria" do "senhor" :

- Ele era que se ia "safar" (palavra minha) porque afinal segundo o inquérito mostrou "falta de interesse" mas não "violou" ...

- Ele era enrolar-se quanto ao que "tinha dito", "podia ter dito" (disse, claro), que ou eram graçolas e/ou ofensas, umas no local de trabalho outras fora dele, até revelando o dia que tinha dito (ah, desculpem, "podia ter dito") uma das ofensas, dia 20. E claro que a frase mais "bombástica" só pode vir dele, basta ver o perfil para perceber que era capaz de dizer essa frase e muito mais.

Ou como vem no "Portugal Diário", :

Charrua é acusado de dizer «somos governados por uma cambada de vigaristas e o chefe deles todos é um f...». Garante que não disse e tem testemunhas. O «comentário menos educado passou-se noutro dia».

Para este "senhor" é uma questão não do que diz mas onde, quando, etc... E a "culpa", claro, é da "bufaria" ... e não da fraseologia que usa, coitado.

- E a desculpa do costume do "coitadinho"  ? Que é um "perseguido político", claro. Ele não é "um elemento incómodo para a directora ou para o governo". É irrelevante para qualquer um deles e para o país. Mas um mau exemplo para todos, incluindo alunos do Ministério da Educação onde "trabalha".

A desculpa que agora serve para um "vale tudo" por parte de quem é de cor diferente da cor do Governo, sejam quais forem as cores em consideração.

No fundo, como é que uma entidade empregadora pública ou privada admite ter como seu funcionário alguém que passa o tempo no local de trabalho e fora dele a dizer graçolas (menos relevante mas revelador) e ofensas a um superior ?

No sector privado ia "de carrinho" num instante e ninguém se preocupava com isso porque uma das regras é que não se falta ao respeito aos superiores, concorde-se ou não com eles. Porque quem está mal, muda-se.

No sector público, seja qual for a orientação partidária de qualquer dos intervenientes, não se deve admitir ofensas dirigidas a superiores, ainda mais quando se chega ao 1º Ministro. Claro que pelo que se vê a Ministra também já deve ter levado algumas e o PR quem sabe, conforme apoia ou não aqueles que o sr. Charrua odeia partidáriamente.

Está na altura de pegar na frase do sr. Charrua e demonstrar-lhe que isto não é um país das bananas.


publicado por HomoEconomicus às 20:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A bofetada de luva branca...

Por cá e por lá depois da...

A verdade dos factos

Facilitismos

O Tratado de Lisboa. O Te...

Racismos, xenofobias e ou...

Os combustíveis e a demag...

O Estado da Economia

Por cá e por lá, felizmen...

Justiça Desportiva

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds