Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.
Terça-feira, 5 de Junho de 2007
Pós e Contras, OTAs, diferentes margens e "buzinões"
Mais um debate sobre o novo aeroporto de Lisboa, agora no Pós e Contras.

Alguns aspectos a destacar:

- Todos concordam que a Portela em 4 a 5 anos está esgotada e é necessária alternativa. A Portela daqui a uma vintena de anos terá mais de 70 anos, idade pouco atraente para um aeroporto "remendado". Esperemos que os ainda defensores da Portela não tenham que assistir por exemplo a um avião em dificuldades de aterragem entrar ali pelo Campo Grande/Av. EUA/Av Roma para mudarem de ideias e ficarem calados que nem ratos de esgoto sobre o que defendiam. Nessa altura, que espero nunca vir a acontecer, os defensores da "Portela Sempre" deviam no mínimo acabar onde aqueles roedores vivem;

- Vários pedem muito "portuguêsmente" para adiar, reconsiderar, "pensar". Outros mais coerentemente pedem estudos comparativos tendo em conta vários factores, Mas todos SABENDO que em 5 anos nem a Portela nos safa. Pena é que sabendo-se da decisão da Ota desde 1999 só agora todos acordem para isso. Muito português, decisão a aplicar, decisão a contestar. Diz-se que agora existe mais informação que pode levar a outra decisão, 8 anos passaram desde 1999. Pois, e em 2015 concerteza ainda mais informação haverá que pode levar a outra decisão, em 2023, em 2031, ... ad infinitum nunca se decidindo como parece que os portugueses preferem;

- Quando se coloca a Ota como possível novo pólo de desenvolvimento nacional percebe-se o nervosismo mais a Norte;

- Cómico ver aquele comandante que falou em nome pessoal e que defende o aeroporto na margem sul. Acaba por baralhar-se e afirmar "na margem esquerda temos a maior reserva aquífera nacional (é verdade) e com o aquecimento global é importante, etc."
Só que a margem esquerda é a margem sul ... a esquerda e direita de um rio é a partir da nascente. Ele deu o melhor argumento para não se fazer o aeroporto na margem sul.

Buzinão

Parece que vários automobilistas buzinam hoje na travessia do Tejo contra as afirmações de "deserto" do ministro. Eu mesmo vivendo na margem sul e querendo o aeroporto nesse local não buzinaria para não parecer idiota. Porque é fácil perceber o sentido de "deserto". Numa zona com a grande reserva aquífera da Grande Lisboa que ainda mais com o aquecimento global é preciosa, mais várias reservas naturais, ÓBVIAMENTE que o desenvolvimento em torno do aeroporto será SEMPRE muito menor que em torno da Ota.

Mas os ministros em Portugal seja qual for o Governo devem já saber que a falar têm que fazer a "papinha" toda senão o pessoal não percebe ou pior, finge que não percebe.


publicado por HomoEconomicus às 10:30
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A bofetada de luva branca...

Por cá e por lá depois da...

A verdade dos factos

Facilitismos

O Tratado de Lisboa. O Te...

Racismos, xenofobias e ou...

Os combustíveis e a demag...

O Estado da Economia

Por cá e por lá, felizmen...

Justiça Desportiva

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds