Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.
Terça-feira, 15 de Maio de 2007
Vitória da Educação e do País, derrota dos sindicatos
Os últimos dados da Educação são uma das maiores derrotas dos sindicatos de professores dos últimos anos. Demonstraram mais uma vez de que lado estava a razão contra as lutas de agenda política e cujo objectivo era sacar ainda mais benesses do Orçamento do Estado ou seja, dos impostos dos portugueses.

Sim, porque se os resultados abaixo apresentados até hipócritamente podem ser comentados pelos sindicatos como também ter sido esse o seu "objectivo", o que as suas reinvindicações nunca deram a entender, os sindicalistas queriam que fossem atingidos com custos ainda maiores para o país.

Uma das reivindicações então era extraordinária ou mesmo ordinária. Segundo os sindicatos se um professor faltasse o seu substituto devia receber horas extraordinárias. Que maravilha ...  Era ouvir em muitas escolas a  canção "Ora agora faltas tu, ora agora falto eu ..."

Como se sabe todos os dados nacionais e internacionais sobre o nosso sistema educativo provaram que a classe dos professores sendo das mais bem pagas da OCDE em termos absolutos e em paridade poder de compra (sendo Portugal dos países mais pobres da OCDE), tem sido das que menos horas trabalha, mais cedo se reforma e pior que tudo isto, piores resultados obtém.

Algo tinha que mudar e parece que começa a mudar.


in DN 15-05-07

"Os números da educação à prova de protestos

No ano passado, a população escolar cresceu pela primeira vez em quase uma década: ganhou mais de 21 mil alunos, o equivalente a 1,3%. O funcionamento das escolas públicas até às 17.30 generalizou-se: é uma realidade em 78% dos jardins-de-infância e em 89% das escolas do 1.º ciclo. As escolas com menos de dez alunos foram reduzidas a um quinto: os alunos estão reagrupados em menos 2463 estabelecimentos. Os chamados "furos" praticamente deixaram de existir: as aulas de substituição preenchem os tempos livres dos estudantes causados pelas faltas dos professores. E tudo isto foi feito com menos 8329 professores.

Estas são as conclusões do relatório anual da Inspecção- -Geral da Educação (IGE) sobre a organização do último ano lectivo, ontem reveladas. São dados concretos que não deixam dúvidas sobre os efeitos da reforma da educação. Até os sindicatos terão dificuldade em torturar os números e fazer com que estejam de acordo com os seus protestos e interesses." 


 
 
 


publicado por HomoEconomicus às 09:48
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A bofetada de luva branca...

Por cá e por lá depois da...

A verdade dos factos

Facilitismos

O Tratado de Lisboa. O Te...

Racismos, xenofobias e ou...

Os combustíveis e a demag...

O Estado da Economia

Por cá e por lá, felizmen...

Justiça Desportiva

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds