Comentários e opiniões sobre a actualidade nacional e internacional, económica e não só.
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007
Estupidez e aldrabice
Anda para aí um abaixo assinado contra a ASAE ao qual já aderiram uns milhares de ingénuos.

Até aqui nada de especial. Muitos portugueses protestam quando as leis não são cumpridas, mas também protestam quando as leis são cumpridas e os incumpridores penalizados porque ... "coitadinhos dos incumpridores".

Só que o abaixo assinado da ASAE é baseado na estupidez e aldrabice. Feito por uns aldrabões que estupidamente apenas beneficiam a ASAE ao basearem o seu abaixo assinado ou a sua "intervenção na sociedade" como muitos destes iluminados gostam de considerar, num texto cheio de aldrabices.

O costume...



tags:

publicado por HomoEconomicus às 09:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Dezembro de 2007
Também temos com que nos orgulhar
Independentemente de quem estava no Governo, Portugal só pode estar orgulhoso com a Presidência da UE que fez neste semestre. Basta ler os comentários internacionais.

E tudo o que nela foi tratado irá ter um impacto positivo sobre a Europa em geral e Portugal em particular muito maior que muita da política do dia-a-dia a que costumamos assistir.

Sim, já sei, a extrema-esquerda e extrema-direita que ideológicamente nos queriam fora da UE não ficam assim tão contentes. Mas o descontentamento das extremas só pode ser uma boa notícia para todos os portugueses. Garanto-vos.

"Correspondentes em Bruxelas dão nota positiva a Lisboa
Correspondentes da imprensa internacional, em Bruxelas, fazem uma apreciação muito positiva da presidência portuguesa da UE, salientando os sucessos da adopção do Tratado de Lisboa, a Cimeira UE-África e a aprovação do projecto Galileo.

Ouvidos pela Lusa, os jornalistas do Le Monde e do Les Echo (França), Reuters (Reino Unido), Corriere della Sera (Itália), Finantial Times Deutschland (Alemanha) e Expansión (Espanha) consideraram que «mais uma vez ficou provado» que as presidências europeias dos países de pequena ou média dimensão são mais eficazes do que as dos «grandes».

Ramon Lavin, do Expansión, afirmou que «são sempre os países de pequena e média dimensão, como Portugal, que fazem as coisas avançar», porque colocam mais «entusiasmo» na condução dos 27.

Jacques Docquiert, do Les Echos, também considerou que os países da dimensão de Portugal «fazem as melhores presidências» face aos «grandes» que têm interesses em várias matérias e que levam os restantes Estados-membros a desconfiar das suas verdadeiras intenções.

O acordo e a assinatura do Tratado de Lisboa foi, para todos eles, o ponto alto da presidência portuguesa, apesar de a maior parte do trabalho político ter sido resolvido pela anterior, da Alemanha.

Paul Taylor, da Reuters, é da opinião que Lisboa «manobrou muito bem, evitando e resolvendo» os problemas que a Polónia e o Reino Unido criaram aquando do debate técnico sobre a redacção do novo Tratado.

Uma opinião partilhada por Ivo Caizzi, do Corriere Della Será, que não poupou elogios à forma como Lisboa solucionou «muitos problemas nada fáceis» colocados por aqueles dois países.

Mas se o Tratado de Lisboa foi o grande feito dos portugueses, vários correspondentes também realçam a resolução de outros «dossiers» importantes, nalguns casos bloqueados há vários anos, dando como exemplo o acordo sobre o financiamento do Sistema Galileo de navegação por satélite ou a finalização do «Pacote IVA» para o comércio electrónico.

A organização da Cimeira UE-África também mereceu nota positiva, tendo Portugal organizado essa mega-reunião depois de vários anos em que outros países o tentaram sem conseguir, segundo Paul Taylor.

A cimeira, com chefes de Estado ou de Governo de 80 países, decorreu de «forma credível», apesar de o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, a ter boicotado por causa do diferendo que Londres tem com o presidente Robert Mugabe, do Zimbabué.

Ramon Lavin também realçou o «sucesso» da Cimeira UE-África, que, segundo ele, ficou marcada pelas críticas dos africanos aos novos acordos de parceria estratégica, os quais, «no entanto, acabaram por assinar logo no dia a seguir à reunião».

Wolfgang, do Finantial Times Deutschland, considerou que a cimeira foi bem organizada por Lisboa, que, «desde o início, não teve medo da controvérsia» pela discussão de temas difíceis, como o respeito pelos direitos humanos ou a boa governação.

Uma «boa prestação» portuguesa também na condução do delicado problema do Kosovo, onde Lisboa conseguiu manter a «unidade e mesmo a convergência» dos 27, apesar da questão não estar ainda resolvida, segundo Philippe Ricard, do Le Monde.

A organização «sem falhas» de dezenas de reuniões realizadas em todo o território de Portugal também mereceu o elogio dos correspondentes habituados a viagens de trabalho em todos os Estados-membros.

Wolfgang Proissl propôs mesmo, em jeito de brincadeira, que Portugal tenha sempre a sua presidência durante o Inverno, uma forma de os correspondentes em Bruxelas beneficiarem do bom tempo que o país tem.

Portugal assumiu a presidência rotativa semestral da UE pela terceira vez desde que aderiu à então chamada CEE, em 1986."

in Diário Digital / Lusa, 18-12-2007



publicado por HomoEconomicus às 21:47
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2007
O Tratado de Lisboa e o referendo

Por cá começa o alarido de alguns, como já aqui referi nacional-socialistas (nazis), comunistas, esquerda folclórica e alguns que precisam de ser polémicos para terem tempo de antena para sobreviver, sobre referendar o Tratado de Lisboa.

 

Alguns comentários...

 

. Em Portugal os referendos são uma perda de tempo e dinheiro. NUNCA foram vinculativos porque nunca votaram sequer 50% dos portugueses por muito que nas sondagens a maioria diga que quer referendo, desde que às urnas vão os outros.

 

. Servem de tempo de antena a ideologias extremistas que depois na desonestidade que lhes é característica costumam juntar a abstenção ao resultado que for mais conveniente para dizerem que "o referendo 'mostrou' que ..." quando na realidade o número de votantes na sua "causa" pouco mais é que o número de eleitores telecomandados que têm noutras eleições.

 

. Servem para descredibilizar a democracia parlamentar, procurando dar relevo à populista "democracia directa", o primeiro passo para a implantação de ditaduras. Um líder autoritário e uns referendos qb que substituam "chatices" como eleições ou oposições parlamentares. Quem votou por exemplo PSD ou PS sabe perfeitamente que estes partidos apoiam o Tratado Europeu, não precisam de referendar o óbvio.

 

. Sobre o tema de os referendos serem um potencial passo para a ditadura leiam o livro de ficção "Darkest Days" (Stanley Gallon) onde se descreve como uma democracia pode resvalar para uma ditadura. Eliminação do Senado e Congresso ("parlamentos" dos EUA), a desculpa de "condições" que impedem convocar novas eleições, referendos para contentar a população que pensa ser mais participativa ... uma ditadura.

 

. No dia do Tratado lá veio a CGTP/PCP com a sua manif contra o mesmo. Se tivessem conquistado o poder em 75 tinhamos entrado na Comecon,  mesmo no Pacto de Varsóvia e ai de quem contestasse ou tentasse manifestar ... Em Portugal são governos eleitos e que todos sabem ser pelo Tratado que o defendem.

 

. Na AR lá vem o BE/PCP + a "irreverente" JS pedirem o referendo, enquanto o CDS quer ver onde param as coisas ...  Mas cómico é o PCP, através do "democrata" Bernardino Soares, aquele que considera a Coreia do Norte uma democracia onde é bom morrer (desculpem, viver), não só pedir o referendo mas ter já a pergunta feita ...

 

E qual é a pergunta ?

 

"Aprova o Tratado Reformador que altera o Tratado da União Europeia e o Tratado que institui a Comunidade Europeia?”

Pergunta simples como se vê. Para se responder terá que se conhecer os 3 Tratados, o último e o que alterou em relação aos outros. Ou seja, no fundo uma questão que faria com que provávelmente os que votavam eram os telecomandados comunistas, o que lhes daria uma "vitória" de perto de 100% e poderem depois dizer que o "povo" está contra o tratado.

 

E é esse o objectivo. Uma palhaçada de questão para uma palhaçada de referendo para poderem destilar o que toda a gente sabe. Com o PCP no poder não haveria referendos ao Tratado porque não estariamos na UE mas sim nalguma "aliança de irmãos" com Cuba, Bolívia, Venezuela (de Chavez claro), Coreia do Norte, Líbia, e ditaduras similares.

 

Alguém duvida ?

 

Para acabar se quiserem referendo, façam-no. Tempo e dinheiro perdidos, tempo de antena a extremistas e folclóricos. Mas OK, é isso que é um referendo. Mas depois deixem-se de interpretações desonestas,  de aldrabices. Cinjam-se aos resultados TAL e QUAL eles são. E se a vitória for da abstenção tirem a conclusão óbvia. Os portugueses NÃO queriam referendo.

 

Mas já sei, pedir honestidade a alguns é pedir Sol na eira e chuva no nabal. Impossível.

 

 

 

 

 

 



publicado por HomoEconomicus às 09:57
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007
Gémeos desavindos atacam de novo

Dia 12 de Dezembro assistiu no Parlamento Europeu à peixeirada dos gémeos desavindos, a extrema-esquerda e a extrema-direita.

 

Desavindos mas ligados no serem contra o Tratado Europeu, quererem referendos apenas para na sua minoridade poderem ter tempo de antena, e nervosos porque quanto maior a integração europeia menores as possibilidades de tentarem implementar nos respectivos países a ditadura e repressão a gosto de cada extrema.

 

Desavindos porque inventam umas variantes para tentarem demonstrar que são diferentes quando no fundo não o são.

 

No século XX a extrema-esquerda e a extrema-direita apenas implementaram ditaduras que causaram largos milhões de mortos, guerras de elevada destruição incluindo da própria Europa e a destruição física ou quase dos próprios países.

 

Nada mais.

 

Agora vestem peles de carneiro invocando a democracia ou "direitos" à população que nunca concederam nos países com a sua ideologia nem nunca concederiam se chegassem ao poder. Populismo, demagogia, aldrabice, nada mais.

 

Contra as extremas só deve existir um comportamento por parte das democracias.

 

Tolerância zero.

 

PS. Na Suíça a racionalidade imperou. O Parlamento em votação impediu que o ex-ministro de extrema-direita que implementou medidas racistas e xenófobas no governo anterior pudesse voltar a ser ministro no novo governo. Bofetada de luva branca, tolerância zero.



publicado por HomoEconomicus às 12:07
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007
Actualidades
O mundo continua a estar interessante como sempre ...

Chavez
Na Venezuela Chavez foi derrotado ... dificultando-lhe a vida para criar uma ditadura comunista com censura, mandatos ilimitados e naturalmente nacionalizações graduais da economia. Fora tudo o resto, claro.

Uma mierda como ele próprio diz.

Ditaduras
Por cá tivemos um deputado do PCP a falar no nosso parlamento sobre a democracia em perigo ...

O PCP que caso conseguisse chegar ao poder implementaria uma ditadura sem se poder discutir sequer se havia democracia ou não, com um parlamento fantoche não muito diferente do parlamento da ex-URSS ou da nossa Assembleia Nacional.

Mas merece o Óscar de "Melhor Actor".

Educação
O último relatório da OCDE mostra que a nossa Educação tarda em melhorar, estando ainda uma desgraça. E que ouvimos dos "defensores dos direitos", mais conhecidos por sindicatos ?

Opiniões, sugestões de melhoria  ? Nada. Existem apenas para sacar o máximo ao erário público e para a luta política do PCP. A politiquice e capacidade académica e profissional para pouco mais dão.

Ah pois é, apareceram agora por aí quando se fala agora da mudança da gestão das escolas. Medo da perda do poder de chantagem ?

Greve
Parece que houve uma greve, "geral". O sector privado nem ligou. O funcionalismo público dividiu-se entre trabalhar ou aproveitar a ponte.

Porque por muitas greves que se façam, nada será como dantes. E já todos perceberam isso. Ou quase todos.

Sacos de plástico
O Governo começa a andar no avanço e recuo, agora com a taxa sobre os sacos de plástico.

Por coisas destas começa o princípio do fim.

Nacionais-socialistas femininas
Interessante o artigo sobre o nacional-socialismo (feminino), mais conhecido por nazismo.

Estão no seu perfeito direito de serem o que querem como mulheres ...

Mas quando se considera o mundo perfeito aquele sob o nacional-socialismo... Se aquilo é o mundo perfeito ... quantos mais milhões de mortos e países destruídos eram necessários para perder a ... "perfeição" ?

Claro, fácil de falar quando se está no mundo "imperfeito" actual e tudo o resto é História e "chique" achar piada.

Mas já agora caso essas senhoras vivessem nessa época (anos 30 até 45) também se suicidariam como Magda Goebbels (que até se divorciou de um primeiro casamento antes de se casar com o nazi), assassinando bárbaramente e cobardemente os filhos, quando vissem a derrocada e o fim do papá Hitler ?

 

Claro, era o mínimo que se esperaria.

 



publicado por HomoEconomicus às 21:37
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A bofetada de luva branca...

Por cá e por lá depois da...

A verdade dos factos

Facilitismos

O Tratado de Lisboa. O Te...

Racismos, xenofobias e ou...

Os combustíveis e a demag...

O Estado da Economia

Por cá e por lá, felizmen...

Justiça Desportiva

arquivos

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds